Social Icons

twitterfacebookgoogle pluslinkedinemail

segunda-feira, 10 de junho de 2002

Escola Agrotécnica faz 35 anos

Publicado na edição nº659, de junho de 2002, no Jornal Folha do Sudoeste

Três dias festivos marcaram a comemoração do 35º aniversário da Escola Agrotécnica Federal de Rio Verde. Ilustres convidados, atrações artísticas e grandes surpresas foram os elementos da festa.

No dia 6 de junho, quinta-feira, no Clube Campestre, foram oficialmente iniciadas as comemorações de aniversário da Escola, após uma apresentação do grupo de dança da Fesurv, cerca de 200 pessoas assistiram palestra do professor Gilberto José de Faria Queiroz, dentre estes, alunos da Instituição, funcionários e alunos convidados das Escolas Estaduais Martins Borges, Olynto Pereira de Castro, Sol e Manoel Ayres.

Gilberto Queiroz palestrou sobre o tema “Educação profissional”, falou da transformação que o Ensino Federal passou após a nova Lei de Educação, que consiste na separação do ensino médio, que antes era vinculado ao técnico profissionalizante. Segundo ele, isso proporcionou um considerável aumento da gama de cursos e de alunos que hoje estudam por menos tempo nas Escolas Técnicas Federais, não que isso possa interferir na qualidade do ensino, pois o aluno passa a lidar somente com disciplinas úteis ao currículo do curso que está realizando. O professor Gilberto ainda disse que hoje são cerca de 700 mil alunos matriculados em cursos técnicos de nível médio e superior pelo ensino federal em todo país, mas já são 1,6 milhão de alunos que optaram pelos novos cursos profissionalizantes. Vale lembrar que estes cursos são voltados a alunos que já concluíram ou estão fazendo o ensino médio, duram em torno de um ano e meio e abrangem não só a área agrícola, Rio Verde hoje conta também com profissionalizantes nas áreas de Agroindustria, Informática, Contabilidade, Secretariado e outros.

O primeiro dia de eventos comemorativos encerrou-se com o lançamento do vídeo institucional da Escola, produzido especialmente para a divulgação dos trabalhos da mesma na região.

A cultura foi o fundamento das comemorações da sexta-feira, o Grupo Teatral Boca de Cena, apresentou o espetáculo Infinito Instante, peça baseada na obra literária de José Cimino, ex-diretor da Escola Agrotécnica de Rio Verde. O livro de poemas de Cimino, que também foi lançado em Rio Verde na mesma ocasião, faz uma crítica pesada as crises sociais, problemas ambientais e a perda da identidade cultural de nosso povo, conseqüências do capitalismo selvagem. Temas muito bem encenados, através de poesia e música, pelos artistas do grupo de Congonhas-MG, a chamada “Cidade dos Profetas”. Encerrando a noite de eventos, apresentou-se a Orquestra de Violeiros e Sanfoneiros de Rio Verde, relembrando, através de sua música, clássicos do folclore sertanejo.

No sábado, dia 8, pela manhã, aconteceu cerimônia de inauguração dos novos prédios e equipamentos de laboratório da Escola Agrotécnica. Estiveram presentes neste dia de evento, representando o MEC, o Secretário de Educação Média e Tecnológica (SEMTEC) Dr. Raul do Vale Júnior, o presidente da Câmara de Rio Verde Aluízio Rodrigues e o Secretário de Agricultura e Meio Ambiente de Rio Verde Paulo Martins, ele que é um dos ilustres ex-alunos desta Instituição. Após a solenidade e pequeno “tur” pelas instalações, foi servido almoço que congregou convidados, alunos e funcionários da Escola.

Pela tarde, o Dr. Raul do Vale fez uma visita à indústria da Perdigão, acompanhado pelos professores Gilberto Queiroz e Vicente Pereira de Almeida, respectivamente diretor e vice-diretor da Escola Agrotécnica.

Para encerrar as comemorações, à noite, foi realizado no Clube Campestre, coquetel baile onde foram homenageados ex-funcionários da Instituição de Ensino, ex-alunos ilustres, além de empresas regionais que contribuem para o bom andamento dos projetos da Escola. A festa seguiu madrugada a dentro com show do grupo “Os Cristais”.

Nos rumos
As inaugurações ocorridas neste dia 8 de junho, tem como origem os investimentos da ordem de R$ 2,3 milhões que a Escola Agrotécnica Federal de Rio Verde recebeu, proporcionados pela criação do PROEP (Programa de Expansão da Educação Profissional), programa este que foi criado em 1998 pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura) que reuniu recurso do próprio MEC, Banco Interamericano de Desenvolvimento e FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), o que gerou US$ 500 milhões para serem aplicados na modernização da educação profissional em todo país.

Segundo o secretário do SEMTEC, Raul do Vale Júnior, o PROEP veio complementar a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação, promulgada em 1996, o que propiciou, primeiramente, uma profunda transformação no ensino médio brasileiro, trabalho que já vem sendo feito desde que o Ministro Paulo Renato assumiu o Ministério da Educação. “Ele fez primeiro uma reforma muito grande que teve como ponto básico a separação do ensino médio da educação profissional. Antes disso, aqui em Rio Verde, por exemplo, o ensino médio era ligado a educação técnica, o indivíduo quando se graduava recebia dois diplomas, um de conclusão do ensino médio e outro do ensino técnico, no caso desta escola era Técnico em Agropecuária”, assinalou Raul do Vale.

A separação deu oportunidade a um grande crescimento na educação profissional, invés de se fazer um curso de 3 anos, passou-se a fazer um curso técnico de 1,5 ano. Segundo Raul do Vale, isso não afetou de forma nenhuma a qualidade destes cursos, pois foram eliminadas as matérias que não tinham importância para o ensino profissionalizante, hoje o aluno só recebe as disciplinas referentes ao curso que realiza. Esta reforma, na Escola de Rio Verde, proporcionou um aumento considerável na oferta de vagas, onde antes estudavam 350 alunos num só curso técnico, hoje disponibilizam 1,2 mil vagas em curso técnicos de nível médio. Já no nível básico, a ofertas de vagas quadruplicou.

Como Rio Verde, outras 300 escolas espalhadas pelo país, foram agraciadas pelo recurso do PROEP, só em Goiás, foram 13 escolas, totalizando investimento de quase R$ 30 milhões no Estado. “Investimos na melhoria de 3 escolas agrotécnicas federais, no CEFET de Goiânia, também investimos em 9 escolas estaduais, nos municípios de Anápolis, Goiânia, Catalão, Porangatu, Goianésia, Goiatuba e Caiapônia. E através do que nós chamamos de “segmento comunitário”, que são organizações não governamentais, nós estamos construindo uma escola em São Miguel do Araguaia”, informou o Secretário do SEMTEC.

A Escola de Rio Verde, agora, segue para uma nova etapa de sua existência. Com a advento destes investimentos aplicados na construção e instrumentação de um moderno laboratório de biotecnologia em vegetais, além de equipar e reformar o também moderno centro de aprendizado de agroindústria, a Instituição está se preparando para se tornar capaz de abrigar também cursos tecnológicos de nível superior, aproveitando a grande estrutura que hoje serve aos cursos técnicos. “A idéia que se tem aqui é criar curso tecnológicos na área da agroindústria, os equipamentos já estão aqui, porque são equipamentos multi-uso, eles servem tanto para um curso técnico como para cursos tecnológicos”, completou Raul do Vale. Outro fator importante, para a criação de curso tecnológicos, é o investimento na capacitação de professores, medida que já vem sendo tomada há tempos pela Escola de Rio Verde, hoje possui um grande número de professores mestres e quatro professores com doutorado.

Implantados estes cursos tecnológicos, a Escola passa a estar apta a se tornar um CEFET (Centro Federal de Ensino Técnico). “Eu acho que ela já deu os passos fundamentais para este trabalho, agora precisa concretizar, elaborar um projeto pedagógico para estes cursos, fundamentar, dar a justificação deste projeto e apresentar a nós, ele será avaliado e se nós aprovarmos, como espero que venha ocorrer, nós daremos os passos para a “cefetização” desta escola”, finalizou Raul do Vale. Esta mudança na Instituição propiciará uma maior autonomia em seus trabalhos, as decisões passarão a se concentrar aqui, junto a comunidade que a Escola serve. Sem dúvida um grande avanço na qualidade do ensino profissionalizante no Sudoeste Goiano.

Nenhum comentário: