Social Icons

twitterfacebookgoogle pluslinkedinemail

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Ivone de Menezes comemora Dia da Criança relembrando brincadeiras

Amarelinha, adoleta, pular corda, passa-anel, lacuxia, bambolê, bola de gude. Brincadeiras que fizeram a infância dos pais e avós das crianças de hoje em dia estão sumindo do cotidiano infantil e não fazem mais a diversão da garotada nos recreios e no tempo livre que eles têm em casa.

Ciente de que essas engrandecedoras e educativas experiências estão se perdendo da vida dos pequenos, em meio a distrações eletrônicas e cultivo de hábitos de gente grande, a Biblioteca Ivone de Menezes Vieira, dedicou as festividades do Dia da Criança, que sempre são realizadas pela equipe da instituição, para fazer um resgate dos jogos e brincadeiras que, há algum tempo, vêm sumindo do universo infantil.

Naildes Santana conta estórias às crianças
do Colégio Estadual Francisco Portugal
(Fotos: Fernando Augusto - Ascom/ Funcaju)
Nas tardes dos dias 9 e 10 de outubro, a biblioteca, uma das unidades da Funcaju, levou até a sua área externa, os alunos das instituições de ensino que habitualmente participam da “Hora do Conto” e outros projetos da Ivone de Menezes, para aplicar essas atividades recreativas. Também houve a apresentação do teatro de fantoches do Grupo Yes Bike, animando e conscientizando as crianças sobre as questões ambientais.

No primeiro dia, terça-feira (9), foi a vez de receber as crianças dos cursos de educação infantil da Escola Janelinha do Saber. Na quarta, estudantes do Colégio Estadual Francisco Portugal estiveram presentes, inclusive os alunos da turma de adolescentes com necessidades especiais do Programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA), oferecido pela instituição.

Professora Ângela Maria e os 
alunos especiais do EJA
Professora do projeto de inclusão dos especiais no EJA, Ângela Maria de Jesus, conta que mesmo sendo lento o aprendizado desses jovens, participar das atividades de cunho recreativo realizadas pela Ivone de Menezes, auxiliam em sua socialização. “Temos que ter muita paciência com eles, mas com calma, em sala de aula eles aprendem aos poucos. Mas, aqui eles participam ativamente, interagem e brincam, o que é mais fácil de lembrar depois. A vinda à biblioteca é sempre um momento festejado por eles”, comenta Ângela.

Já Paulo Sérgio, 12 anos, do programa de alfabetização "Se Liga", do Colégio Francisco Portugal, sempre frequenta as atividades da biblioteca e também pega livros emprestados na Ivone de Menezes para auxiliar em seu aprendizado. “Estou gostando muito da festa do Dia das Crianças, gosto de todos os dias que a gente vem para cá. As estórias que as tias contam, as brincadeiras, são muito boas”, explica o garoto.

O aluno Paulo Sérgio do
Colégio Francisco Portugal
A contadora de estórias oficial da Ivone de Menezes, Naildes Santana, que atua semanalmente na biblioteca no projeto “Hora do Conto” foi a principal animadora das crianças nos dois dias de atividades. Seus contos, jogos e brincadeiras entreteram a garotada. Ela conta que a iniciativa desse resgate dos costumes infantis, que vem sendo perdido, foi uma ideia proposta pelos professores das escolas parceiras, com o intuito de tornar o intervalo recreativo das aulas, um momento menos violento. “Resgatando essas brincadeiras que deveriam ser passadas de pai para filho, quem sabe, não tornamos esse momento mais ameno”, disse.

Naildes com as crianças brincado de roda
Segundo Maria José Lima, diretora da Ivone de Menezes, as escolas maiores são as que enfrentam mais problemas relacionados à violência dos alunos nos intervalos entre as aulas. “Brigas, discussões e o bullying, agregados ao uso excessivo de celulares e eletrônicos são os principais problemas que distorcem a infantilidade dos alunos”, afirma.

“Temos a intenção de acalmar os recreios, para que neles se pratiquem atividades infantis, esquecendo da agressividade entre eles e do isolamento causado pelos eletrônicos. Isso também agregado ao conhecimento dos alunos, pois esse lado lúdico complementa, na prática, a teoria que é dada no hábito de ler, outro papel da biblioteca”, enfatiza Maria José.

Maria José, diretora da Biblioteca
Municipal Ivone de Menezes Vieira
A diretora explica que aproveitando o efetivo humano que já atua na “Hora do Conto” todas as terças e quintas-feiras, foi possível realizar essas atividades comemorando o Dia das Crianças. “Temos os contos, as brincadeiras, os jogos, trouxemos também o teatro de fantoches, assim podemos fazer esse resgate das brincadeiras do passado, para que eles possam levar isso para o recreio e para sua vida cotidiana”, conta.

Teatro de fantoches
O grupo de teatro de bonecos de fantoche Yes Bike, atua a menos de um ano em Aracaju, na conscientização do uso de bicicletas como meio de transporte ecológico e que auxilia na mobilidade urbana. A peça “Vá de Bike”, voltada ao público infantil, arrancou gargalhadas e ao mesmo tempo, prendeu a atenção dos pequenos expectadores na Ivone de Menezes. Os atores Juliana Aguiar, Luiz e Yuri, além de tocarem no ponto da sustentabilidade, também abrem espaço para tratar do preconceito racial no enredo da apresentação.

A Hora do Conto
É realizada ininterruptamente durante todo ano na biblioteca, sempre as terças e quintas-feiras em dois horários: às 9h30 e às 15h30. Atende estudantes das escolas da região, com agendamento de visita, e está aberta a toda comunidade, bastando ir até a Ivone de Menezes. A biblioteca está localizada na praça Major Edeltrudes Teles, no bairro Farolândia.

Nenhum comentário: